COMPOSIÇÃO por 3 Cápsulas:
Mexilhão de Lábios verdes, extrato 1500 mg
Contendo
Glucosamina, 180 mg
Sulfato de condroitina 60 mg
Ómega‐3 63 mg
EPA (ácido eicosapentaenóico) 40 mg
DHA (ácido docosahexaenóico) 23 mg

 

INGREDIENTES: Mexilhão de Lábios Verdes, gelatina, glicerol.
INDICAÇÕES: O extrato de mexilhão de lábios verdes constitui uma fonte marinha de glucosamina, sulfato
de condroitina e ómega 3, e atua como um anti-inflamatório natural minimizando as dores articulares e
musculares.
REUMATISMO ARTICULAÇÕES MÚSCULOS DORES E RIGIDEZ
MODO DE TOMA: tomar 3 cápsulas por dia, às refeições principais. Durante as 3 primeiras semanas, a dosagem
diária pode ser duplicada.

COMPOSIÇÃO por 3 Cápsulas:
Mexilhão de Lábios verdes, extrato 1500 mg
Contendo
Glucosamina, 180 mg
Sulfato de condroitina 60 mg
Ómega‐3 63 mg
EPA (ácido eicosapentaenóico) 40 mg
DHA (ácido docosahexaenóico) 23 mg
Mexilhão de Lábios Verdes
O mexilhão de lábios verdes (Perna canaliculus) é nativo da costa da Nova Zelândia e é um marco
dietético da cultura maori indígena. Distingue-se das outras espécies de mexilhão pela presença
de uma faixa verde brilhante em volta da margem ventral posterior da concha e pelo seu lábio
verde, que é visível por dentro da concha. Os seus efeitos anti-inflamatórios são estudados desde
que se observou uma incidência mais baixa da artrite nas populações indígenas maoris costeiras
relativamente à prevalência da doença nos maori a viver no interior, ou nos povos europeus. O
extrato de mexilhão de lábios verdes constitui uma fonte de glucosamina, sulfato de
condroitina, ómega‐3, bem como aminoácidos, proteínas e minerais e atua como antiinflamatório
natural no caso de dores articulares e musculares.
A glucosamina é precursora dos glucosaminoglicanos e consequentemente dos proteoglicanos, componentes estruturais das
cartilagens, nomeadamente ao nível das articulações. Esta molécula intervém na formação de todos os tecidos conjuntivos
como sejam as unhas, tendões, pele, fluido sinovial, ossos, ligamentos, cartilagens, válvulas cardíacas e das secreções mucosas
dos tratos digestivo, respiratório e urinário. A deficiência de glucosamina causa o enfraquecimento de todos estes tecidos, e no
caso de traumatismos, a quantidade de glucosamina sintetizada pelo organismo é sempre insuficiente para o reparo da
estrutura traumatizada. É o maior componente das membranas articulares e do fluido sinovial, desempenhando aí uma
importante ação lubrificante. Promove a incorporação de enxofre nas cartilagens, sendo utilizada para prevenir a
degeneração óssea e fortalecer os tecidos conjuntivos.
O ácido condroitinossulfúrico, ou sulfato de condroitina é um dos ácidos que compõe a matriz intercelular, tal como a
glucosanima faz parte dos proteoglicanos. Liga-se ao colagénio e à elastina, responsável pela fixação entre as células, dando
assim firmeza aos tecidos. É também um composto natural que se encontra nas articulações, nos tendões e nos ligamentos.
Em doenças degenerativas, como a osteoporose, a sua presença reduz à medida que a cartilagem se degenera. Pensa-se que
este composto possa bloquear as enzimas que destroem a cartilagem assim como ajudar à retenção de água na cartilagem que
se encontra nas articulações, mantendo assim a sua elasticidade. Desta forma é parcialmente responsável pela força,
flexibilidade, e pela capacidade de absorção de choques nas articulações. Pesquisas demonstraram que suplementar a nossa
dieta com ácido condroitinossulfúrico pode ajudar a recuperação das articulações, aliviar os sintomas de dor e rigidez, e retardar
a progressão da osteoartrite.
Os ácidos gordos poliinsaturados designados ómega 3, o ácido docosahexaenóico (DHA) e o ácido eicosapentanóico (EPA), são
indispensáveis ao organismo humano, são precursores de prostaglandinas, moléculas com marcada ação anti-inflamatória que
ajudam a diminuir os sintomas da artrite reumatoide.
EVIDÊNCIA CIENTÍFICA
Bierer et Bui. 2002 Nutrr 132: 1634S‐36S: Estudo duplo-cego realizado durante 6 semanas em cães de um abrigo animal, com idades
compreendidas entre os 4 e os 13 anos, evidenciando sinais claros de artrite (inchaço e deformação das articulações, rigidez e dificuldade de
movimentação) e submetidos à mesma ração alimentar. Foram realizados 3 ensaios em que se adicionou o extrato de mexilhão de lábios
verdes 1. polvilhado sobre a ração habitual, 2. à formula de um biscoito para cães, 3. à fórmula da ração nas dosagens/ peso de animal de1000
mg (+ 34 kg), 750 mg (34-25 Kg) e 450 mg diários (25 Kg).
Os resultados obtidos indicam que 83% dos cães mostram redução de mais de 30% nos sintomas, no grupo 1; 53% dos cães mostram redução
de mais de 30% no grupo 2; e 50% dos cães mostram redução de mais de 30% nos sintomas no grupo 3. A suplementação de extrato de
mexilhão de lábios verdes, durante 6 semanas, é eficaz na redução dos sintomas associados à artrite canina, sendo que a atividade do extrato
é maior quando este é utilizado puro, em ser submetido ao processos de manufatura alimentar.

Ligação às redes sociais

Share on Myspace